terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

MAIS UM DIA QUE ACABA . . .

.







Mais um dia que acaba
e a cidade parece dormir,
da janela vejo a luz que bate no chão
e penso em te possuir.

Noite após noite, há já muito tempo,
saio sem saber para onde vou,
chamo por ti, na sombra das ruas,
mas só a lua sabe quem eu sou.

Lua, lua,
eu quero ver o teu brilhar,
lua, lua, lua,
Eu quero ver o teu sorrir.

Leva-me contigo,
mostra-me onde estas,
O que o pior castigo
O viver assim, sem luz nem paz,
sozinho com o peso do caminho
que se fez para trás...
Lua, eu quero ver o teu brilhar,
no luar, no luar.

Homens de chapéu e cigarros compridos
vagueiam pelas ruas com olhares cheios de nada,
mulheres meio despidas encostadas à parede
fazem-me sinais que finjo não entender.

Loucas são as noites, que passo sem dormir,
loucas são as noites.
Os bares estão fechados já não há onde beber,
este silêncio escuro não me deixa adormecer.
Loucas são as noites.

Não há saudade sem regresso, não há noites sem
madrugada,
Ouço ao longe as guitarras, nas quais vou partir,
na névoa construo a minha estrada.

Loucas são as noites, que passo sem dormir,
loucas são as noites...


pedro abrunhosa

4 comentários:

Carolina Tavares disse...

Linda letra e bela composição de fotos.

Me atrai a mente masculina e o sofrimento que abate o coração do homem. Estranhamente belo... estranhamente humano...

Look by me disse...

Adoro esta letra.Bj

Vaca na Lua disse...

Bela combinação de fotos e letra do P.Abrunhosa. Gostei muito!

pinguim disse...

Belas sombras...