quinta-feira, 10 de março de 2011

FAZENDO ESTRADA . . .

.


Dei por mim a pensar na geração dos 40/50 anos, desempregados, com empregos precários, com filhos e responsabilidades bancárias.
Dei por mim a pensar nos mais velhos, os que têm os filhos em dificuldade e vivem das pensões muito baixas do estado.
Dei por mim a pensar nos filhos adolescentes, cujos pais estão sem trabalho ou com ordenados inseguros e inconstantes.
Dei por mim a pensar na geração dos 20/30 anos, pós formados, licenciados ou não, que não vêem oportunidades de emprego ou de arrancar para uma vida “normal”.
Dei por mim a pensar no que aconteceria se todas estas gerações se considerassem gerações “ à rasca ”.
Dei por mim a pensar que todas estas gerações poderiam fazer uma manifestação, contra não sei bem o quê, e contra não sei bem quem, pois até os políticos se considerariam “à rasca” porque não fazem ideia como tirar as gerações “à rasca” da enrascada.
Dei por mim a pensar se, nessa manifestação, onde o importante é dizer mal de alguma coisa, eu, que também estou “à rasca”, ficaria a chorar ou a vender lenços … ou ainda, se não seria um excelente momento para procurar melhorar o meu presente, o meu futuro e aproveitar o facto de todos os outros, “à rasca”, estarem naquele momento ocupados com coisas muito importantes …

3 comentários:

Carolina Tavares disse...

Tenho um ¨amigo¨ por ai que não está bem assim como descrevestes e ando bem preocupada.

pinguim disse...

BINGO!!!!!!

Paula NoGuerra disse...

É uma dificuldade imensa seguir o mundo como está...mas vai dar "A" volta.Uma Grande volta!

Um sorriso de coragem para todos!