quinta-feira, 15 de outubro de 2009

SEMANA X - 4

.

.
Tudo o que eu te dou,
Tu me dás a mim.
Tudo o que eu sonhei,
Tu serás assim.
Tudo o que eu te dou,
Tu me dás a mim,
Tudo o que eu te dou.
Tudo o que eu te dou.
.

video

Querida amiga, aqui está um exemplo do que encontramos quando decidimos ultrapassar os nossos "SE" e os "MAS", e determinados, escolhemos um caminho que acreditamos verdadeiramente, o caminho que representa os teus valores, o propósito da tua vida.

Tudo o que é novo provoca dificuldades, temos surpresas, é necessária adaptação, mas é essa adaptação que nos faz sentir mais fortes e verdadeiros.

Percorrer o caminho até aos teus sonhos torna-te mais livre e mais verdadeira.
Num filme do Almodôvar um personagem diz: “… somos tanto mais verdadeiros quanto mais próximos estamos dos nossos sonhos …”.

Por agora digo-te mais uma coisa, nós somos muito mais fortes do que pensamos, temos capacidades enormes quando nos desafiamos e quando acreditamos que vamos ser felizes. Repara na metáfora deste nosso amigo do filme, com todos os seus medos ainda tem a capacidade de CONTRIBUIR, ele volta a correr riscos para devolver o peixe ao seu meio, ele DÁ.

Aconteceu uma TRANSFORMAÇÃO.

8 comentários:

Storyteller disse...

Passei a noite de ontem e a manhã de hoje a cantar esta música.
Adoro!

Vício disse...

mais uma vez digo que gostei do simbolismo do video e o problema muitas(?) vezes é procurar-se soluções nos outros sem tentar descobrir a força que se pode ter em si...

Paulo Lontro disse...

Story,

É uma excelente canção, grande mensagem alí dentro.

Paulo Lontro disse...

Vício,

Podemos sempre evoluir, sermos seres melhores e esse ponto que referes é muito importante.
Todos nós, uns mais do que outros, procuramos justificações e culpados, procuramos o EFEITO e não a CAUSA.

leitanita disse...

Ai Paulinho se continuas a colocar "Abrunheira" eu nao saio daqui nem que me paguem!!!

Freyja disse...

Caro Paulo Lontro,


Perante o filme e os comentários, pergunto-me se será possível compreender o brutalidade que é a imensidão das causas.
Pondo de lado o efeito, que agora não interessa para nada, será possível algum dia compreender conscientemente num pensamento presente e constante, até que ponto somos o causa de tudo o que acontece e não um simples reflexo, ou efeito?

Um bem-haja e até breve.

Paulo Lontro disse...

FREYJA,

Muito Bem-vinda ao Lontrices.

FREYJA, compreender a imensidão das CAUSAS depende do Poder Pessoal, dos Valores e das Competências de cada um de nós.

As CAUSAS são uma relação entre o EU (meu desenvolvimento), os OUTROS (minhas relações) e os OBJECTIVOS (minhas competências), esta relação é dinâmica.

Os resultados da minha vida dependem, das minhas Acções, das minhas Emoções, das minhas Crenças e dos meus Valores.

Senso assim não concebo a possibilidade de conscientemente não compreender em pensamento presente que EU sou a CAUSA de tudo o que me acontece, não pode ser um reflexo!

Claro que isto se tornaria claro num mundo perfeito ou seja se,
- as minhas escolhas forem conscientes a cada momento, se trazem felicidade a mim e aos que me rodeiam,
- as minhas emoções forem de prazer, se quero colher felicidade tenho de semear felicidade (conforto vs desconforto),
- as minhas crenças (o que acredito), forem possibilitadoras e não limitadoras,
- se eu viver constantemente os meus valores, aquilo em que realmente eu não faço concessões pois são as leis da minha vida.

FREYJA, não sei consegui responder às tuas perguntas, mas é assim que eu vejo o facto de EU realmente pensar que sou sempre a CAUSA.

Holy disse...

Aprofundar o tema pode levar-nos ao domínio do teológico.
Para os crentes, Deus é a causa primária de todas as coisas.

Crentes ou não : o Homem, tendo a liberdade de pensar, tem de igual modo a liberdade de obrar (causar), podendo provocar efeitos (o bem ou o mal), assumindo a responsabilidade dos actos (causas).

O Homem será assim a origem de tudo (causas) gerando efeitos (bons ou maus), e (concordando com o que foi escrito), “dependentes do Poder Pessoal, dos Valores e das Competências de cada um de nós.”.

Os efeitos na minha vida, dependerão fundamentalmente das causas que eu originei (concordo).
.