quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

DESPONTAVA PARA O MUNDO . . .

.











A menina abriu os olhos de repente, quase num susto.
Ficou ainda um tempo sem se mover, imaginando o que fizera até ali... as amizades e brincadeiras, o quanto sorriu, o quanto chorou... um risinho escapou-lhe memorizando bons momentos, de banho de mangueira, de brincar com bonecas, das tranças caindo-lhe sobre os ombros, andar descalço pelas ruas do descompromisso...
Sentou-se lentamente, enquanto lágrimas brotavam dos seus olhos... pensamentos sobre as perdas que teve, os erros que cometeu e pelos quais foi castigada.
Os dias chuvosos que a obrigaram a ficar trancada... os dias cinzentos que lhe pareceram feios quadros dependurados na parede de suas memórias... os dias de frio em que se sentia obrigada à reclusão.
A tristeza tomou seu coração e ela ficou a pensar se valia mesmo a pena levantar-se naquele dia.
As lágrimas corriam livremente pelo seu rosto, assim como outrora ela mesma correra pelos campos da sua inocência.
Porquê, às vezes, o mundo parecia tão ruim?
Porquê as pessoas pareciam tão confusas e malucas indo e vindo como num ballet alucinado?
Sentia medo, medo muito medo... o que será que aquele dia lhe reservaria?
Mas, de repente percebeu, o que a mantivera acomodada na sua confortável cama foram as delícias memoráveis que vivera e que, naquele momento, a lembrança amarga dos espinhos que perfuraram seus delicados pés, faziam-na temer o porvir...
Mais um risinho, este de convicção.
A menina levantou-se de um salto e corajosamente abriu a portada da janela.
Como um presente escondido, encontrara um dia ensolarado, com pássaros e borboletas, havia perfume de flores e tantas cores... nem mesmo o cinzento frio dos arranha-céus destoavam da paisagem, o burburinho de gente falando, carros passando, música ao longe.
Cheia da alegria e confiança que só tem quem se conhece, ela saiu rapidamente e abriu as portas que a levariam ao mundo.

Na janela não estava já uma menina.
Naquela manhã, uma mulher despontava para o mundo...



texto: Adriana Dias

3 comentários:

Maçã e Canela disse...

Gostei muito como sempre*

cantinhodacasa disse...

Fotos que mostram ainda a pureza da criança/mulher.
E o texto está muito, muito bonito.
O despontar da sexualidade da jovem e da mulher que há em si.

Beijinho

FATifer disse...

Como sempre fotos e texto em prefeita harmonia simbiótica…
Como sempre é um prazer passar por aqui para receber o que nos ofereces! :)

Obrigado e um abraço,
FATifer