sábado, 30 de janeiro de 2010

QUEM PEDE DESCULPA AO MUNDO.?

.
CLIQUEM PARA AUMENTAR AS FOTOS









QUE MAIS FALTA?
SERÁ NECESSÁRIO FAZER UM DESENHO?


.
Meninos da guerra
Quem vos foi acordar?
Não foi a mãe terra
Nem por certo o mar!

Meninos da guerra
Tão velhos que já o são
Quem vos deu armas
Que levais na mão?

Meninos da guerra
Que jazem no chão
Quem vos roubou a vida
Não foi a terra! Não!
Pois a mãe terra
Vos prometeu pão…


Rogério Martins Simões

12 comentários:

pinguim disse...

Infelizmente, ninguém!!!!

GiGi disse...

Quem se importa?

:-(

O Meu Blog disse...

Dói tanto saber que essas crianças de guerra existem mesmo!

cantinhodacasa disse...

Custa entender...Na mente dos adultos. Mas são estes mesmo adultos que fazem a guerra.

Obrigado.
Mais umas fotos guardadas, mais um texto, mais um trabalho para eu pôr em prática.

Nem calculas o quanto isto vai mexer com os alunos.

Beijinho

Vani disse...

Parte-se-nos o coração :(

Palma da Mão disse...

Chocante, e o mais triste é ser real...:(
beijos

Candybabe disse...

É muito triste haver crianças que não podem brincar, que não têm que comer...
Que dizer o Homem é o ser capaz de fazer as maiores atrocidades...

Gostava de acreditar que um dia seremos seres respeitadores de tudo o que nos rodeia.

Catsone disse...

Lontro, infelizmente, acho que essas imagens são mais comuns do que aquelas de crianças a brincar.
Temos poucas crianças a crescer sendo crianças.

Belas imagens, lindo poema.

Bom fds.

TIA COMPLICAÇÕES disse...

Linnndo, profundo e revoltante o poema, não precisa de ilustração. O poema tem imagens próprias muito vivas e angustiantes, passam como um filme pela consciência de quem lê ... Obrigada Lontro por te lembrares de abanar a consciência de quem lê....:[

Kiimmy disse...

É cada um por si...

Goldfish disse...

O que quem manda muitas vezes se esquece de ter em consideração é: e se fossem as nossas crianças? as da nossa família? as dos nossos amigos? as do nosso bairro? Faríamos a guerra de uma forma tão fácil?

catwoman disse...

(...)Tão jovem! Que jovem era!
(agora que idade tem?)
Filho unico, a mãe lhe dera
Um nome e o mantivera:
«O menino de sua mãe.»
(...)
Lá longe, em casa, há a prece:
“Que volte cedo, e bem!”
(Malhas que o Império tece!)
Jaz morto e apodrece
O menino da sua mãe

Fernando Pessoa

Quem diz uma prece por estas crianças, tantos acordos mundiais, tanta cimeira, para quê? Dói ver como a sua miséria é aproveitada, ainda há pouco no noticiário diziam que tinham apanhado alguns americanos por andarem a levar crianças, ilegalmente, do Haiti; passou-se o mesmo há uns anos quando do tsunami; já não lhes chega a dor, o seu mundo perdido?
beijinho.