segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

"CADA CORPO É UMA ESCRITA DIFERENTE" . . .

.










Ante um nu de bianco

Quanto mais vejo o corpo, mais o sinto
existente em si mesmo, proprietário
de um segredo, um sentido - labirinto
particular, alheio ao ser precário.

Cada corpo é uma escrita diferente
e tão selada em seu contorno estrito
que a devassá-la em vão se aflige a mente:
não lhe penetra, na textura, o mito.

Trabalho eterno: a mão, o olhar absorto
no gesto fulvo e nu da moça andando
como flor a mover-se fora do horto.

Só o pintor conhece como e quando
o corpo se demonstra na pureza
que é negação de tempo e de tristeza.


Carlos Drummond de Andrade
in: A Paixão Medida

texto enviado por Giovana Milozo
obrigado Giovana.

6 comentários:

cantinhodacasa disse...

Linda a poesia da Giovana.


Beijinho

GiGi disse...

Um post sensualíssimo, com fundo musical perfeito!

É de se parar e sentir. Sentir as imagens, sentir a poesia, sentir a música. Sensações :-)

Beijos

Vício disse...

sem duvida! e eu gostei das caligrafias que mostraste! bem torneadas...

FATifer disse...

Acho que conseguiste uma vez uma simbiose perfeita entre texto, fotos e a música que escolheste…

(adoro esse disco do Keith Jarrett!)

Grande abraço,
FATifer

Paula disse...

Nada mais sensual e bonito de olhar que o corpo feminino... Parabens!

dermatologistested disse...

... uma escrita diferente...e como resposta deixo um bocadinho de sérgio godinho:
"Somos sempre uns iletrados
estamos sempre adolescendo

Escreve o meu livro
e eu escrevo o teu
biblias de um deus ateu"