quinta-feira, 25 de junho de 2009

SORRISOS ADIADOS ...







Aceito que a pobreza possa ser um dos motivos principais para que existam crianças em dificuldade, em desigualdade de oportunidades. Contudo, quem quer ser honesto tem que aceitar que crenças religiosas, lutas incompreensíveis por territórios, pobreza de espirito dos pais ou simples estupidez e ignorância são motivos mais do que suficientes para adiar os sorrisos.

Acho que neste tema, se todos pedirmos desculpa ao mundo, será pouco…

22 comentários:

TM disse...

Nunca conseguiremos fazer nada que desculpa o ar de tristeza numa única criança... quanto mais todos esses sorrisos tristes...

vício disse...

e por vezes nunca chegam a aparecer...

Who Am I disse...

:(( como comentar isto?

cantinhodacasa disse...

Sem dúvida.
Arrepia-me o ar das crianças.
Beijinho

pinxexa disse...

Caramba, que lindos meninos, que lágrimas tão tristes....
:-(

PAULO LONTRO disse...

TM,
sim, não há desculpas.

PAULO LONTRO disse...

Vício
Infelizmente é verdade, mesmo que apareçam na cara, o coração não sorrirá.

PAULO LONTRO disse...

WAI,
poix...

PAULO LONTRO disse...

Cantinho,
também a mim mas é melhor mostrar/denunciar do que esconder a cabeça na areia.

PAULO LONTRO disse...

pinxexa,
as crianças são sempre bonitas, mesmo com lágrimas...

humming disse...

espero um dia poder fazer a diferença nem que seja na vida de uma.

Conde disse...

Para mim a religião é o maior mal do mundo, trás guerras e luta, miséria e morte, ao mesmo tempo que olham para cima.

PAULO LONTRO disse...

humming,

Podes começar hoje mesmo, denuncia situações, agita as águas, fazer pouco é muito mais do que fazer nada!

PAULO LONTRO disse...

Conde,

100% de acordo!

paula'maria disse...

a distraída fui eu :/ baby baby
(desculpa lontro)
aquando deste problema, que falas aqui, é triste é, e concordo com a tua ultima frase :)

ianita disse...

E quando temos o que precisamos e ainda assim adiamos os sorrisos? A quem pedimos desculpas?

PAULO LONTRO disse...

Recebi um comentário no meu email pessoal.
Sem dar a conhecer quem mo escreveu deixo aqui o seu comentário e a minha resposta.

A opinião deste senhor até seria interessante e poderia dar um debate construtivo, normalmente as pessoas que me visitam, (são poucas mas inteligentes), dão contributos positivos aos temas.
este senhor tem uma experiencia de vida interessantissima, e de muita generosidade, que poderia partilhar com todos.

Deu-se porém o caso de este senhor ter querido fazer juízos de valor em relação a mim.
Poderia ignora-lo mas não é o meu estilo.

OPINIÃO DO SENHOR:

O que me leva a escrever-lhe foi o conteúdo do seu último post "Sorrisos adiados...", em particular a afirmação dum comentador: "Para mim a religião é o maior mal do mundo, trás guerras e luta, miséria e morte, ao mesmo tempo que olham para cima.". Afirmação também corroborada pelo Senhor.
Esse seu post avivou-me a memória.
Caro Sr. Paulo Lontro, em LOCAL X entreguei X meses da minha vida a essas crianças de que fala no seu post.
Não sei se dei tudo o que tinha, provavelmente não, mas fiz o que estava ao meu alcance para minorar o sofrimento delas. Sofri com elas, mas também transmiti amor a muitas mais. Sem pertencer à área da medicina, posso afiançar-lhe que assisti a tudo o que imagina, desde o nascimento até à morte.
Como lhe posso afiançar que nesse no país, onde estive, se não fossem essas tais organizações religiosas (cristãs) que são o "maior mal do mundo" teriam morrido milhares de crianças.
Por favor, peço-vos, para a proxima reflicta bem no que escreve, não transforme problemas sérios em meros clichés.
Continue a chamar atenção ao problema mas não resvale para outras guerras.
Peço-lhe desculpa pelo desabafo, mas vem-me à memória tanta situação que se nada dissesse explodiria.

MINHA RESPOSTA AO SENHOR:

Obrigado pelo comentário privado, e claro que aceito o desabafo.

Lamento mas concordo a 100% com o comentário do Conde.

Se o ler bem, ele diz que a religião é o maior mal do mundo, eu concordo a 100% dentro do contexto do post, a maioria das guerras e fonte de sofrimento das crianças vem de conflitos religiosos. Sempre foi assim ao longo dos últimos milhares de anos. Em nome das religiões mata-se muito mais do que o que se salva.

Quando fiz este post sobre "crianças tristes" e mais uns 4 ou 5 anteriores sobre o mesmo tema, nunca me referi à religião, sempre falei em guerras, mas nunca colei a essas guerras motivos, não é necessário, prefiro pensar nas guerras no seu abstracto, guerra é guerra.

A palavra "Cristãs" foi utilizada por si e não pelo Conde, com certeza que todas as religiões têm meios e organizações de ajuda a crianças, exilados e refugiados, e todas salvam milhares de crianças, espero que não pense que só a religião cristã os tem, seria um grande cliché da sua parte. Lembro-lhe que se há religião que matou em nome de Deus foi mesmo a Cristã, por esse mundo fora, e em nome da evangelização ou seja lá porque foi.

O senhor não é obrigado a pensar da mesma maneira que eu e por isso dá-me a ideia que temos posições bem distintas sobre este assunto.

O senhor faz-me saber da sua opinião e isso em nada me desagrada, é um sinal de respeito.

O que acho estranho é que, por se lembrar de coisas que não me dizem respeito, tenha tomado a atitude abusiva e deselegante de me mandar reflectir sobre o que escrevo, por acaso o senhor pensa pela minha cabeça?

Por acaso só o que senhor escreve é pensado e reflectido?

Por acaso o senhor tem o dom de nunca utilizar clichés?

Para a próxima seria interessante comentar no blog, poderia ter a opinião de outras pessoas, todas as opiniões são válidas, até a sua, apesar de me acusar de escrever de forma irreflectida e recorrer a clichés.

Informo-o desde já que vou colocar esta sua opinião e a minha resposta no post respectivo.
Obviamente vou respeitar a sua vontade de manter o anonimato para o exterior da minha pessoa.

Paula disse...

evito sempre comentar assuntos destes, não porque não tenha opinião mas porque afecta muita gente de várias maneiras...
eu sou crente, não propriamente numa religião mas acredito que existe algo superior... eu não vou propriamente atrás de clichés, mas se formos a ver e estudar a história das religiões temos de admitir que elas são causadores de muito sofrimento na humanidade, porque através delas se justificaram muitas acções, muitas guerras, e muitas torturas e por aí fora.
por toda a história temos guerras "santas" que devastaram populações tudo em nome de um deus.
claro que hoje em dia a religião tenta aprender com os seus erros e tenta evoluir noutro sentido de maior compreensão e ajuda e auxílio prático nos países em guerra e com fome como o senhor o disse... mas continuamos a ter guerras santas que parecem justificar tudo.
eu gostava de um dia entrar na cidade santa e perguntar o porquê daquel património todo quando há tanta gente a precisar de ajuda...
mas isto é apenas a minha opinião!

Ana Camarra disse...

Paulo

Por partes:

1-Estamos no sec XXI e não é admissivél que sejam adiados ou roubados sorrisos e infâncias, seja pelo que for.
2-A religião, no sentido alargado, sem ser esta ou aquela, está na base de muitas desigualdades, guerras, preconceitos, separações por casta e trinta por uma linha. O elo mais fraco são as crianças, sempre.
3-Fazer caridade não é apanágio de uma religião, se bem que fazer bem por temor a um ser omnipotente ou á espera de qualquer recompensa me faça impressão.
acho maisque é preciso um distribuição equitativa da riqueza, com a correspondente distribuição de condições de vida, habitação, cuidados de saude primários, educação, etc. para que de facto se construa um mundo de crianças sorridentes.
No entanto minorizo os esforços de ninguem para dar esses apoios.

Qualquer diferença, faz diferença.
As crianças devem de ser tratadas como património da humanidade, com um senão, que não são nossas, nós somos delas, qualquer um com filhos percebe o que digo.

Beijos Grandes e as fotos são lindas....como as crianças

Conde disse...

Antes de mais gostaria de expressar a minha admiração por esse senhor e todos os que abdicam do seu tempo e conforto , muitas vezes do seu próprio bolso, embarcam numa aventura em prol dos outros. Eu nunca tive essa coragem e reconheço nessas pessoas uns herois.
Mas mesmo assim, não retiro uma virgula ao que escrevi e digo mais, quando escrevo acerca da religião o sangue ferve e a raiva cresce. Porque esse senhor devia de saber que não é preciso vestir uma batina ou qualquer outra "farda" para praticar o bem. O bem está nas pessoas, não em qualquer outro ideal apetrechado de uma fenda que engole notas (Fátima). Faça uma auto análise, foi ajudar as crianças porque entendeu que o devia de fazer ou porque é Catolico!.
Basta saber um pouco de historia para saber que a historia da humanidade foi moldada pela guerra, pela ganancia, pelo desprezo . Em nome de Deus ficámos bem servidos disto tudo e quase que foi eleita uma vice-presidente nos EUA que afirmou e EU VI que uma guerra contra o Irão éra uma guerra abençoada por Deus!. Pense ao contrario, em vez de no sentido Homem-Deus....no sentido Deus-homem e h´s-de de chegar á conclusão que ele não estará muito satisfeito, você está?.

TM disse...

Podia dizer muito... mas a verdade é que não sei se conseguiria dizer com palavras tudo o que penso sobre o assunto...
Essencialmente não concordo que a religião seja o maior mal do mundo... porque essencialmente é o homem que deturpa algo que baseado fundamentalmente na capacidade de acreditar...
Quanto à opinião do tal senhor lamento muito que ele tenha uma visão tão redutora... e castradora... não é afinal na liberdade que temos em pensar de forma diferente dele que nos permite acreditar...
Louvo aquilo que fez... o facto de dedicar o seu tempo a uma causa nobre, como é ajudar o próximo... mas na verdade também concordo com aquilo que dizes Paulo... infelizmente é na religião que nascem a maioria dos conflitos... com tudo o que deles surge...
Enfim... é apenas a minha opinião... aquela que sinto que devo ser livre de exprimir... com ou sem clichés...

ianita disse...

O problema não está na Religião, mas no que se faz em nome dela.

Não fosse a Religião seria outra coisa qualquer. Política, poder, a cor das paredes...

As pessoas têm de aprender a viver com a diferença e parar de quererem impor o seu ponto de vista... que não passa disso mesmo, de um ponto de vista.

Andei na Catequese... tinha uns 6 ou 7 anos e perguntei à Catequista se quem n era cristão ia pro Inferno e ela disse que sim... depois percebi que era cristã porque os meus pais eram e não por acreditar particularmente naquilo... e percebi que se tivesse nascido em África teria outro deus, e n seria culpa minha, seriam as minhas circunstâncias... e achei que n era justo alguém ir para o Inferno só porque os pais n eram cristãos... continuei na Catequese porque os meus pais quiseram, mas nunca mais acreditei fosse no que fosse.

A haver Deus ele é só um... seja qual for o nome q lhe dêem... Deus, Alá, Júpiter, Jeová, whatever...

Basicamente... muitas vezes olho e parece-me que este pessoal está num recreio da escola a ver quem tem o carrinho mais bonito... como cada um diz que é o seu e n aceitam cada um brincar com o seu e pronto, andam à porrada!

A intolerância é o maior mal do Mundo... penso eu.

Beijos