domingo, 28 de setembro de 2008

SE ME MORRES EU SINTO





Então. Sempre ouvi dizer a vida a dois é um osso duro de roer
e de enterrar e esgravatar para cheirar e confirmar o lugar
o asilo o lar doce lar
excepção feita aos onanistas
só ligam ás fotos das revistas

Tu lavas eu limpo
tu sonhas eu durmo
tu branco e eu tinto
tu sabes eu invento
tu calas eu minto
arrumas e eu rego
retocas eu pinto
cozinhamos para três
tu mordes eu trinco
detestas eu gosto
magoas eu brinco

Criámos sob um tecto um monstro de mutismo
e o tédio escorre das paredes como num túmulo para alugar para habitar
inventamos maldades por puro exibicionismo
suportamo-nos apenas por diletantismo
discussões de mercearia
só apagamos a luz ao nascer dum novo dia

-mas se me morres eu sinto -



Cerimonias
Gnr
Composição: Tóli César Machado / Jorge Romão

Faz por estes tempos 20 anos que foi lançado um dos melhores albuns da pop de Portugal. Esta letra estava lá. Apenas uma frase tem a ver comigo .

2 comentários:

Sorriso disse...

espero que seja (a acho que é) a frase do título do post...
muito bom este poema...

1 Sorriso p/ ti

PAULO disse...

Sorriso, o resto não é de certeza ...