quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

IMPOSSIVEL...? ... LOL...LOL... ( 2 )

.

Às vezes, o maior engano que nós fazemos é pensar que não devemos ter problemas.

Nós pensamos que os problemas são uma maldição, ao invés de pensarmos que nossos problemas até podem ser uma possibilidade de evoluirmos.

Uma maneira de crescermos é termos problemas suficientemente “interessantes” para nos estimular para o uso dos nossos recursos, para encontrar algo em nós que não está a ser estimulado.

Perspectiva, Visão, Escolhas, estas são as 3 chaves para entendermos esse engano.

Ok, com o mal dos outros eu posso bem, dizem já alguns.
Ok, "estratégias" de motivação, dizem já outros.


Mas, afinal porque é que o ramo da humanidade que sobreviveu na pré-história foi o que teve e passou por mais dificuldades de adaptação?

Porque é que o ramo da humanidade que teve que se deslocar mais, lutar mais, utilizar mais a mãos, readaptar-se mais vezes, sobreviveu e o que estava na Europa não sobreviveu?

Num comentário a um post passado, falei da FLEXIBILIDADE, dizia nesse comentário que, o ser com mais flexibilidade tende a vencer dentro do meio o ser que é menos flexível.
Dava o exemplo, do que são capazes de fazer as crianças quando querem alguma coisa, e porque tantos pais caem na esparrela de, porque não são tão flexíveis, ter de dar o que a criança pede.

Depois DESTE, aqui está mais um exemplo extraordinário de um homem que escolheu ver os seus "problemas" de uma forma diferente da que seria de esperar.

Utilizou e organizou os seus recursos Emocionais e Mentais (iguais à partida a qualquer outra pessoa, ele não tem membros, mas tem “coração” e “cabeça”, certo?) de uma maneira tão específica (adaptada a sua situação “específica”) que lhe permitiu montar uma estratégia de vida de forma a atingir um resultado simples, SER FELIZ !

Inspirem-se !
.

se aguentaram até ao fim o anterior, vejam este, uma perspectiva diferente ...



Esta foi a parte 2/3
AQUI a parte 3/3
AQUI a parte 1/3
.


E agora?

Comentários!

Quem se chega à frente...?

.
ADENDA ao post, (comentário aos comentários)


Estou a observar que nos vossos comentários (obrigado por eles, o tema não é obvio) a este post, há um ponto comum, é a noção de SUBJECTIVIDADE.

unhas de gel,
amputação de perna,
empate do Benfas,
guerras e conquistas,
amuos pessoais,
visão “oriental”,
tempestade em copo de água ou será em piscina de 50 metros,
quem tem problemas sérios é quem está de pé, caí e se tem de levantar ou quem apenas não quer cair e cai,
quem tem problemas “mesmo grandes” (??), “acaba sempre por os superar”… alguns inspirando os outros ao sucesso pelo que lutaram exemplarmente independentemente do resultado final, outros superam porque se suicidam, o problema também fica resolvido depois do suicídio… ou não?
pessimismo versus optimismo,
impossible is nothing ou tudo …
adaptação e flexibilidade

De facto, o nosso amigo do vídeo, o Nick Vujicic chama a atenção no vídeo 2/3 para a palavra PERSPECTIVA, a querida Vani escreve que tudo são faces da mesma moeda.

Não há tamanho grande ou pequeno, tudo depende dos nossos sentidos e das nossas fotografias da “coisa”, o que vemos, como vemos, o que sentimos, como sentimos, quais são os nossos estados emocionais perante a situação em causa.

São alguns destes pontos, a tomada de consciência deles, que vão definir como se vai dimensionar o ” problema”, a situação.

Um optimista diminui a situação se ela for má, tira-lhe um foto muito pequenina, e coloca-a num local onde ele é menos percepcionada e aumenta-a de tamanho se ela for boa, um pessimista fará o contrário.
Ambos estão seguros que estão a ver “o problema“ na dimensão “correcta”, muitos pensarão mesmo que é a única forma de ver a situação, que não há outra.

Deixem-me agora lançar esta ideia;
não penso que o importante seja dimensionar o problema nem mesmo se o resolvemos bem ou mal, após um tempo outros problemas virão e nós vamos ter de novo avaliações subjectivas, tentem tomar consciência do que se aprendeu e o que vamos fazer a seguir, qual é a acção imediacta, o Nick chama-lhe "passo bebé", aquele que é "só dar", impossivel falhar.

No vídeo, o Nick explicou como foi dimensionado o seu problema, “tragédia” diziam todos, “não poderá ser autónomo” diziam os médicos, poderá mesmo ser colocada a possibilidade de não o deixar nascer assim, abortar, talvez…

Nada, nada disto contribuiu para o que o Nick é hoje, nada !

Foi ele que definiu (e vai definindo) a sua visão de onde queria chegar e é ele que está a escolher os seus caminhos.
Foi ele que aprendeu o que fazer a seguir ao problema e fazer dele a tal oportunidade que a certa altura o faz dizer “foi bom isto ter acontecido” !

Todos têm a noção da força deste pensamento?
Acham que é teatro?

Ele no vídeo 1/3 quebra o gelo da audiência, o choque visual, com teatro, com circo talvez, mas… depois faz-nos ver que a sua "parte física" também tem o seu lado lúdico e que contribui para melhorar o seu lado emocional, porque não?

Também ganha a consciência que não é a única pessoa do mundo que vive aquela situação, coloca a hipótese de poder replicar as experiencia boas dos outros e também ele ter como resultado as mesmas coisas positivas.
Ele mesmo dá o seu exemplo, ele diz , olhem para mim, vejam com actuo (ele finge que corre a simular os passos bebé), façam o mesmo e provavelmente terão resultados semelhantes.

Nick viaja pelo mundo a dar conferencias, a avisar os mais distraídos que não há alternativa à felicidade, ou se há não deve ser algo muito interessante… , milhares de pessoas criam com ele uma RELAÇÂO emocional exemplar o que permite comparar os seus comportamentos pessoais com os dele, independentemente de “os problemas” serem maiores ou mais pequenos, isso é como todos nós já concluímos, SUBJECTIVO, depende da PERSPECTIVA, mas observando o que fazem de diferente do Nick e que não dá os resultados esperados, aprendem assim a “copiar” certos comportamentos dele e tentam obter os mesmos resultados.

Imaginem que o filme não era o do Nick mas sim o do Michel Jordan que coloquei num post da semana passada.

O que muda?

NADA!

Quem tem a visão, o Objectivo de que quer ser o maior basquetebolista do mundo provavelmente vai estar atento ao que fez na vida o M. Jordan e tentar copiar o mais possível para que tenha resultados semelhantes aos que ele teve.

Ou o vídeo era do melhor Padeiro do mundo, e eu quero ser o melhor Padeiro da minha aldeia ou do meu pais ou do mundo, quero saber como é que ele faz o pão, mas também como é que ele ganhou o prazer que tem a fazer aquele pão, que experiencias teve o Padeiro em pequeno para que lhe tenha dado o click e o fez fazer um pão que é o melhor do mundo (apesar de isso ser também subjectivo, mas na minha avaliação é o melhor do mundo).
O que é que ele sente ao cheirar o pão e o que eu sinto e vejo ao ver e sentir na boca o pão desse Padeiro…
Talvez ele acorde já convencido que é "o melhor" e que o seu pão é o resultado de ele ser o melhor Padeiro, não sei, mas vou-lhe perguntar…!

O que o Nick me ensinou é a tamanha LIBERDADE que está do meu lado para fazer o que sonho, para chegar ao ponto que ele chegou, a independência das minhas decisões perante o exterior e o ambiente, o meio.
Eu sou o unico responsável pelos meus actos e escolhas e por isso sou o responsável pelas suas consequências.

Por fim, e talvez o mais importante, a sua generosidade, a dádiva, a contribuição que ele dá ao mundo, a quem o quer ouvir.

Sim, quem olha para ele vê o que lhe falta mas não vê o que ele tem a mais e pode partilhar, e ainda, os seus planos para o futuro, e a linguagem não verbal, o que ele não disse mas eu vi.

Eu vi um homem muito feliz, sinceramente feliz.

E vocês ?

.

22 comentários:

Missanguita disse...

Fazes perguntas muito complicadas....

Rafeiro Perfumado disse...

Chegar-me à frente perante estes exemplos só se for para aplaudir. Infelizmente são casos isolados, pois o que não falta por aí são dramas vividos por pessoas que partem a unha de gel, despenteiam o cabelo ou sofrem com o empate do glorioso em casa do oitavo classificado.

Pax disse...

Eu sou uma fácil! Choro só por ver os outros chorarem!
:/
São exemplos muito extremos e fazem-nos perceber o ridiculo que são os pequenos detalhes a que chamamos problemas.

Mas também acho que a "arte" não está só em se saber levantar, está na forma como conseguimos não cair.

Beijo grande :)

Tiago disse...

Se abrires um livro de história, quais os principais factos que lá estão relatados, como significativos para a evolução da humanidade?

Guerras e Conquistas.

Sem uma guerra, não há nada para conquistar, tanto a nível literal, como humano. É esse o problema dos nossos dias. As pessoas não guerreiam consigo próprias para se conquistarem.

GiGi disse...

Uma das alusões que a filosofia oriental fez à flexibilidade é o bambu, o qual em dias tempestuosos ele pende para lá e para cá e não quebra com a tormenta. Em calmaria, ele está lá, inteirinho.

Outra forma de expressão é sobre a língua e os dentes. Estes cedem porque são duros, a outra porque é mole.

Por falar em problemas, uma das coisas que mais me irritam é a famosa "tempestade num copo d'água", em que se transforma um pequeno problema, de fácil resolução, em um problemão. Tudo porque a pessoa não consegue ser flexível, ou seja, ter um olhar mais amplo sobre a situação a fim de poder buscar (e até mesmo testar) diferentes soluções. Porque não tem paciência ou não consegue modificar sua forma de encarar a realidade.

Não vi os vídeos porque a conexão aqui está muito ruim. Depois eu volto :-)

:-*

Aprendiz de gente disse...

Este é um assunto que me é muito caro e, permite-me discordar de ti rafeiro perfumado, nesta vida quem tem problemas mesmo sérios acaba sempre por se superar e por inspirar os que os rodeiam. Quando agarramos a vida com unhas e dentes acontecem coisas lindas.
O meu pai foi amputado recentemente e deixem-me que vos diga que é cada vez mais o meu herói (e no passado nem sempre foi...), algo tão terrível transformou-o num homem lindo, com um sorriso ainda mais brilhante e com um garra que eu nunca lhe tinha visto.
Infelizmente, há uns anos, vi a minha priminha perder uma batalha que nenhuma adolescente devia ter que travar, perdeu, mas não tenho duvidas nenhumas que ensinou toda a família e amigos o que é ter força, aproveitar tudo o que se pode... todos nós somos melhores por tê-la conhecido e isso é a melhor dádiva que se pode dar ao mundo.
Todos temos exemplos do que é ser extraordinário face a um desafio...
Grande post Lontro.

LBJ disse...

Referenciais...

Sabes a do optimista e do pessimista em que o optimista acha que vive no melhor mundo possivel e o pessimista que receia exactamente o mesmo...

Abraço

leitanita disse...

O slogan publicitário deveria aplicar-se sempre mas... é tao mais "fácil" choramingar, queixar-se, etc e tal.

Impossible is nothing!

Vani disse...

Ora cá está o que digo muitas vezes: é tudo uma questão de adaptação. E a necessidade é a mãe do engenho, logo, da adaptação.
A pax levantou uma grande questão, sobre o deixarmo-nos cair e o levantarmo-nos. Ambas são muito dificeis e durante a nossa vida teremos de as enfrentar: tanto a hipotese de cair e escolher nao cair, como o cair e termos de nos levantar. No fundo, ambas são dois lados da mesma moeda.

Mas, tudo é relativo e tudo é uma questão de perspectiva...o que para uns se torna superável, para outros é o impensável, muitas vezes por não terem outro exemplo a seguir.

Eu escolho levantar-me e tentar inspirar outros, e tu? ;-)

Paulo Lontro disse...

Comentei os vossos comentários em adenda ao post.
Se quiserem voltem lá.

:)

Candybabe disse...

Olá!
Realmente este post tem mto que se lhe diga... Acho que é uma questão de uns verem o copo meio cheio e outros meio vazio. Eu sou uma optimista por natureza, tenho noção que nos momentos mais difíceis superamo-nos, fazemos coisas que nunca pensamos que seríamos capazes... Lá está a necessidade de sobrevivência.

Jocas

Who Am I disse...

Entrada de Coimbra...

ora uma vez li algures algo mais ou menos assim:

eu entendo ou não uma coisa, dependendo da maturidade com me disponho a ouvi-la...

mas até para atingir essa maturidade (emocional) é preciso ter noção do que se é...ou seja...o mesmo problema (que muitas vezes nem chega a ser) observado com diferentes "maturidades" pode ter vários desfechos e/ou evoluções.

Não é só a relatividade em relação aos outros, mas a nós próprios e ao que pensamos e como pensamos de um assunto...tudo isto que mostras e que serve de ajuda a muitas pessoas, só adiantará se as mesmas quiserem ser ajudadas... primeiro as pessoas têm de ter a noção de que estão erradas na sua percepção das coisas...e depois assumirem que se pode olhar e agir de forma diferente.

O teu degrau pode ser o meu muro.... mas sim, é possível mudar. :))

beijinho para todos

Vani disse...

Não te esqueças que quase metade dos comentários são meus (ali no meu tasco :D). E que é mais fácil falar de teorias e avacalhações do que de assuntos que nos fazem questionar o nosso próprio âmago. :)

Vani disse...

Eu vi um homem que superou obstáculos e se tornou uma inspiração. Um homem que evoluiu. Uma alma antiga.

Vani disse...

Um homem que preferiu inspirar outros a serem felizes do que a enrolar-se na cama com pena de si mesmo.

Mas, é tudo uma questão de perspectiva mesmo. Ora cá está a Teoria da Relatividade aplicada à vida no plano humano.

Vani disse...

O meu muro pode ser o teu degrau. Para parafrasear a who i am. :)

FATifer disse...

É, na verdade, difícil comentar mas porque o texto e os clips já são tão claros que pouco há a acrescentar (para muitos haverá sim que acreditar!).

Gostaria de destacar este teu parágrafo:

“Uma maneira de crescermos é termos problemas suficientemente “interessantes” para nos estimular para o uso dos nossos recursos, para encontrar algo em nós que não está a ser estimulado.”

Por me ter deixado a pensar na vida (na minha)…

Para terminar diria que este assunto está muito bem condensado na brilhante frase de Fernando Pessoa que escolheste para o cabeçalho deste teu espaço!

Abraço,
FATifer

Susaninha disse...

TANTA IDEIA, TANTA PERGUNTA..
COM PILHAS DURACEL OU É IMPRESSÃO MINHA???
Montes de qualidade este post....

Goldfish disse...

Há quem tenha recursos internos (estabilidade emocional, principalmente) para fazer frente às circunstâncias mais adversas, maravilhando os outros com a sua resiliência. Estes são casos impressionantes!

cantinhodacasa disse...

Adorei o que escutei. Mexe(u) a sensibilidade de quem vê e escuta.
Tentei duas vezes comentar, mas fui interrompida.
Só agora consegui.
E, a melhor forma que tive de comentar, foi, ter enviado por e-mail, os vídeos para que algumas pessoas entendam o que é uma lição de vida, força, luta e NUNCa de desistência.
Também te digo que gostei do que escreveste no teu post.
Cheguei tarde aos comentários. Li todos e penso que nada mais há a dizer.
Gosto que fales destes assuntos.
Tens "poder" de transmitir o que muitos precisam de escutar, ler, ver, pensar, agir.
Beijinho e bom fim de semana

spritof disse...

Verdadeiramente inspirador.
Chocante, no sentido de nos levar a repensar onde estamos e para onde vamos.
Um abalo.

spritof disse...

Concordo com a tua adenda... não há problemas grandes ou pequenos... há a forma como sentimos cada um desses problemas.