terça-feira, 17 de novembro de 2009

QUANDO FALTA O MOTIVO . . .

.









.
Vou lendo por aqui e ali, nos blogues de amigos, alguns momentos de desalento de descrédito, de falta de auto estima e de baixar de braços.

São esses momentos que me motivam a fazer post com a etiqueta Desenvolvimento Pessoal.

Vou lendo frases como:

Eu não acredito no amor, estou desesperada/o, detesto o meu trabalho, não acredito nas pessoas e tantas outras frases que me levam a pensar que pessoas extraordinárias estão a desperdiçar o seu potencial com pensamentos e escolhas negativas.

Muitas pessoas, umas melhores do que outras , escrevem sobre este assunto e muitos dos amigos e amigas, desses mesmo blogues, dizem com desprezo, “eu não gostos de livros de auto ajuda”, “detesto livros tipo “O Segredo” e outros do mesmo género” …

Pergunto-me; quem pensa desta maneira, será assim tão feliz e com objectivos tão bem definidos e atingidos que se dão ao luxo de recusar ajuda venha de onde vier?
Duvido!

Estou convencido que há preconceitos sobre o género ou, pensando de forma mais radical, há medo de ser alertado para factos, para atitudes da nossa vida que são postos em causa.

Há medo de concluir que para se melhorar a qualidade de vida é necessário sair convictamente do nosso campo de “conforto” e arriscar, romper rotinas, entender que o fracasso é aprendizagem, entender que se pode ver a realidade com óculos diferentes, resultando disso diferentes verdades, entender que, sem objectivos claramente definidos qualquer caminho serve para não nos levar a lado algum .

Um dia, li num livro de Anthony Robbins, um pensamento mais ou menos assim:

Num determinado momento, uma pessoa diz a si mesma que não acredita no amor, se tem essa expectativa de fracasso nessa área, quanto do seu potencial de amar se irá realizar?
Seguramente não muito!

Ela já disse a si mesma , já enviou um sinal ao seu Cerebro, para que este fracasse nessa área.
Tendo começado com essas expectativas, que tipo de acções irá essa pessoa provavelmente empreender ?
Serão confiantes , energéticas, congruentes e assertivas ?
Vão essas pessoas refletir o seu verdadeiro potencial para amar ?
Não, será muito pouco provável que assim seja!

Se uma pessoa está convencida de que tudo vai fracassar, para quê o esforço de tentar arduamente?
O que se passa é que uma quantidade de potencial já empreendeu acções de indiferença que anulam acções futuras.
As crenças entram numa cadeia, numa aspiral descendente clássica.

O fracasso, cria fracasso.

As pessoas que são infelizes e que vivem esmagadas pela dor, seja de que tipo for, estiveram durante muito tempo sem resultados e já não conseguem acreditar.
Pouco ou nada fazem para realizar o seu potencial e começam a descobrir como é que podem levar a sua vida a um ponto em que façam o menos possível obtendo resultados que deitam ainda mais abaixo as suas crenças em vez de fazerem o contrário.

Li também mais tarde que;

"Se fizermos quilo que sempre fizemos, obteremos aquilo que sempre obtivemos”.


Pensem comigo, mudemos de paradigma.

Uma pessoa começa com grandes expectativas num determinado OBJECTIVO definido, mesmo mais do que expectativas, acredita com toda a força que vai haver sucesso.

Tendo o sucesso como força possível e segura, que tipo de acções vai empreender desta vez?
Vai arrastar-se sem entusiasmo?
Claro que não !
Via ter entusiasmo, energia, expectativas de sucesso e vai sentir ser o maior.
Se assim for, quais os resultados que são de esperar ?
As probabilidades são de eles serem bastante bons.
E o que é que isso faz à nossa crença e à capacidade de obter resultados?
É a espiral ascendente de sucesso.

Sendo assim , o sucesso, alimenta o sucesso .
O sucesso gera sucesso , e a cada sucesso, cria-se mais crença e ímpeto .

As pessoas assim também fazem coisas menos certas ?
Claro que sim!

As pessoas com crenças positivas garantem sempre os resultados ?
Claro que não!

Não há formulas magicas nem fadas madrinhas que garantam o sucesso e sendo assim , quando as expectativas não são atingidas, há que escolher outro caminho, há que corrigir a estratégia.
Isto não indica, obviamente, que tudo o que foi feito foi errado.

Aquilo que sabemos e já vimos várias vezes , foi que pessoas que mantém o mesmo sistema de crenças que fortalecem e persistem através das acções e dos recursos suficientes, por fim , obterão sucesso.

Muitas vezes não é necessário ter uma crença ou uma atitude extraordinária acerca de algo para obter sucessos.
Por vezes, pessoas produzem resultados espantosos apenas porque não sabem que algo é difícil ou impossível, não estão condicionadas.
Exemplo:

Um rapaz adormeceu na aula de matemática. Acordou no fim da aula e viu no quadro dois problemas propostos. Presumiu que era trabalho para casa. Em casa, trabalhou arduamente na resolução dos problemas, não conseguindo resolver nenhum deles, insistiu de tal forma que por fim conseguiu chegar a um resultado. Na aula seguinte apresentou o trabalho. O professor e os alunos ficaram espantados. Afinal, esses mesmos problemas, agora com solução, ficaram escritos no quadro porque foram considerados de resolução impossível.

Se este estudante soubesse isso, provavelmente não os tinha resolvido nem sequer tentado.
A situação proporcionou o facto de ele não ter dito a si mesmo que era impossível resolvê-los, pelo contrário, ele pensava que tinha mesmo de os resolver pois era esse o trabalho proposto na aula a que ele não assistiu por ter adormecido, ele tinha um objectivo bem definido e tinha um motivo.

Os bebés aprendem muito e muito rápido porque experimentam, porque não têm consciência das consequências das acções.

O meu filho faz coisas loucas, como vos vou narrando aqui (lontro), porque está motivado, as crianças em geral estão sempre motivadas a obter o que querem, lambem o chão se for necessário, gritam como doidos só para nos deixar atrapalhados e cedermos ao seu motivo.

Eles são muito flexíveis fazem o que for necessário para atingirem o objectivo e por isso dominam o meio, nós pais, normalmente não somos tão flexíveis, ou ficamos atrapalhados com o berreiro ou lhes damos um tabefe, não temos muito mais recursos.

A nossa falta de flexibilidade faz de nós a parte fraca do meio, exemplo, “Pai e Criança numa loja de brinquedos”.

Uma outra forma de alterar uma crença é ter um facto real que realmente a reflecte.

Quando, (aqui) vos contei que caminhei no fogo, sobre brasas, fui capaz de fazer algo que estava convencido ser impossível (oh, se estava…) factos desses levam-nos muitas vezes a repensarmos as nossas crenças.

Os que conseguiram chegar ao fim deste texto, acabaram de ler um pequeno texto de “auto ajuda”, desses mesmos, os que não gostam de livros de “auto ajuda” não me levem a mal mas, o que não mata engorda, o que arde cura e o que aperta segura, logo espero que não tenham dado o tempo por completamente perdido…

Desejo-vos uma fantástica semana!

:)



.

47 comentários:

Clara disse...

Lontro tenbho sido uma leitora assidua da tua escrita e tenho ficado fascinada.
Hoje , em especial o teu texto foi fascinante e de certa forma foi o remédio que me fazia falta.

Paulo Lontro disse...

Clara,

sê muito bem bem-vinda, pois que faças um bom proveito do texto. aparece mais vezes.

:)

leitanita disse...

Ai GRANDE Lontro!!!!!
Sim tens toda a razao o nosso lema deveria ser: Vive cada dia como se fosse o primeiro!

ADEK disse...

"post de auto ajuda" soa-me melhor que "livro de auto ajuda". Conselhos grátis são melhores:P BEijinhos e óptima semana também!*

Paulo Lontro disse...

leitanita,

Finalmente alguém me diz essa frase, "como se fosse o 1º dia" , o melhor está para vir, obviamente!

Paulo Lontro disse...

ADEK,

Espero que já estejas a 100%.

"Os que conseguiram chegar ao fim deste texto, acabaram de ler um pequeno texto de “auto ajuda”"

Texto foi o que escrevi. !

:)

Paula disse...

bom, eu sou das que não gosta de livros de auto ajuda e ainda hoje falei nesse mesmo "o segredo", hehehe
não que me ache completamente satisfeita ou que tenha as respostas ou outra coisa qualquer do género. o facto é que já tentei ler livros desse género e nunca gostei, mas posso tentar esse, pode ser que calhe!
eu sei que é errado mas sou por norma pessimista, o que não me vai impedindo de continuar em frente e arriscar, seja no amor ou noutras coisas da vida...mas o pessimismo vai funcionando como forma de me manter na terra sem voar demasiado! sem esperar demasiado!.. continuo a acreditar no amor apesar de não ter tido muita sorte e vou arriscando...
se bem que se desta não der resultado o que vai acontecer é que posso voltar a tentar, mas vai ser mais difícil...cada vez mais!
e continuo a acreditar nas pessoas e dar sempre o benefício da dúvida! talvez seja crédula ou ingénua mas prefiro sempre essa perspectiva da vida...
bjs

LBJ disse...

Paulo,

Não preciso de te dizer que te considero...

Sabes e ensinas que o sucesso começa cá dentro e é a nós que nos cabe exportá-lo para a vida.

Por falar nisso, para quando um almoço na Capital? Eu levarei mais pessoas que tu ainda não conheces :)

Abraço

Paulo Lontro disse...

Paula, quando dizes que não gostas desse tipo de livros o que queres dizer exactamente, o que é que não te agrada?

Paulita, nada é errado, o facto de às vezes te sentires pessimista “apenas” te limita o avanço, o pessimismo é uma antecipação do futuro, do que não existe, do que não é, antecipas problemas que podem nunca acontecer. Se te focares no sucesso e viveres o prazer de chegar a esse objectivo estás a caminhar pelo caminho limpo e que mais facilmente te leva ao alvo.

Repara que o optimismo também te mantém em terra, o caminho que percorres é o mesmo, escolhe se o queres percorrer com “distracções” que te bloqueiam ou se o queres percorrer directamente e em felicidade.

Ao escreveres (e pensares) “…se desta vez não der resultado…” estás a abrir caminho à hipótese que não queres que aconteça, estás, tal como eu disse antes, a antecipares infelicidade, se queres inventar, então inventa algo de bom… é mais divertido, acredita.

:)

Paulo Lontro disse...

LBJ,

Olá, já tinha saudades tuas, como vai a vida?
Eu sei que me entendes.

:)

Who Am I disse...

é...as "lavagens cerebrais" desses livros,como eu costumo dizer, não são de todo um despedício.

beijinho
(li tuditooo) :))

Paulo Lontro disse...

Minha querida WAI,

Só se lava o que necessita de ser lavado, se achas que tens elementos na tua vida que podem ser melhorados, que podem ser mais claros e brilhantes então talvez esses livros tenham a sua utilidade.

Se te sentes uma pessoa com a plenitude das tuas potencialidades e com o caminho livre para atingires facilmente os teus objectivos então, provavelmente podes passar estes e ler outros tipos de livros.

Tu já deste a resposta e ainda bem que pensas assim.

Beijo especialmente Lontro para ti.
:)

leitanita disse...

Lontro, esse tem sido o meu lema. Como se fosse o 1º dia ou como se fosse o último. Depois de muitas cabeçadas e de muita auto-ajuda...

Princesa Moscatel disse...

Sabes qual é a única coisa de que discordo? É que este não é um texto de auto-ajuda, como não são os livros que referes. Ambos são generosidades, mais no caso de textos que não se pagam, de alguém que acha que pode tornar a vida de outros melhor. A auto-ajuda é lêr estes textos, pagos ou não, e reflectir honestamente até que ponto poderão fazer sentido para si, eventualmente desfazendo alguns "nós" na cabeça e, muito provavelmente, na vida. Como em tudo mais, nada é um dogma, nada são verdades absolutas. Encaro este tipo de textos como alertas e pistas.

Por isso... obrigada. :)

ianita disse...

Pois... eu não vou mesmo em Segredos.

Essa é a religião do novo Milénio. Com as vantagens e vícios de todas as religões. Aceito que as pessoas precisem de acreditar em algo. Seja em Deus, seja nos Segredos.

Seja como for, não me considero infeliz por não ir em Segredos. Nem creio que esteja a perder seja o que for. Auto-ajuda... interessante expressão. Auto. Vem de dentro.De si para si. E não de fora. De deuses nem de gurus. Auto.

Só nós temos o poder de mudar a nossa vida. As nossas expectativas. Os nossos sonhos. O nosso caminho. Só nós temos o poder de auto-ajuda. Não será à toa que não se diz "hetero-ajuda".

O caminho pode ter companheiros de viagem, mas não podemos ser levados ao colo. Os passos são nossos. Para o bem e para o mal.

Sou muito sonhadora. Sou muito lutadora... pelo que acredito... pelo que quero... pelo meu sonho maior... todos os dias luto pelo que quero... todos os dias conquisto mais... todos os dias luto contra os meus medos e venço.

Acredito em mim. Acredito na minha coragem... nascida do meu medo.

E para isso não preciso de Deus nem de Segredos nem de coisas parecidas.

Preciso de mim. Do meu caminho. E dos meus. Todos os seres especiais que cabem no meu "eu". Porque eu sou muitos.

Cada pessoa tem o seu caminho, a sua cruz... podemos tentar ajudar... mas a verdadeira ajuda, a que realmente conta, vem de dentro. A auto-ajuda. Basicamente porque só nós sabemos o que sentimos. Só nós sabemos o que sonhamos, o que esperamos, o que queremos. E seria presunção pensar que as nossas soluções encaixam nos problemas e sonhos dos outros.

Miss Kin disse...

Lontro, já li alguns livros de auto-ajuda e já i vi o filme "O Segredo", tenho alturas que procuro esse tipo de literatura porque sinto que preciso, outras tento ler, mas não consigo.
Nunca fui uma pessoa optimista, a minha mãe diz que me falta o gene, mas não é por isso que não soube reconhecer o que de bom já me tem acontecido.
Esta é uma altura mais difícil de focar pontos positivos, tinha quase tudo e de repente vejo-me à toa, sem rumo. Eu sei que só eu é que posso voltar a encontrar o meu rumo, mas ainda não consigo...

Paulo Lontro disse...

Princesa (doce com aromas de flor de laranjeira, mel e damascos secos) :)

Ajudar e ser ajudado é um privilégio sem preço.
Obrigado.

:)

Paulo Lontro disse...

Ana,

Se há alguém que aqui vem, e neste ano e meio tem mudado mais e para melhor, és tu.

Se isso é apenas trabalho teu, ou teu e da família, ou teu e dos deuses, ou seja lá quem for, isso não interessa para nada, ou quase…, digo quase porque se quiseres ajudar alguém a ser mais feliz provavelmente vais utilizar a tua experiencia para o fazer e aí já não é totalmente neutra a forma como efectuaste a tua evolução, certo?

A auto ajuda existe porque nenhum dos senhores da “nova religião” como lhe chamas, te vem ajudar, te vem dar a mão, eles descrevem opiniões e crenças segundo as quais eles estão convencidos que sendo utilizadas podem ajudar a aumentar o grau de felicidade das pessoas.

O trabalho é teu, é a isso que se chama auto-ajuda, a que vem de dentro de ti e vem com a convicção necessária para que surta efeito.

Se não necessitas de ajudas para evoluíres positivamente se não há segredos a serem desvendados, pois muito bem, não vou ser eu a ficar triste com isso, bem pelo contrário.

Pois se estás no teu caminho, se estás satisfeita com o teu percurso e evolução acredita que eu fico muito satisfeito.

kiss
:)

Paulo Lontro disse...

Miss Kin,

Tudo que servir para aumentar o teu potencial de felicidade é válido, com ou sem livros, com ou sem segredos, tal como eu disse à Ianita.

Pensa nos teus pontos fortes, pensa como é possível ter quase tudo, afinal já aconteceu (certo?), e se sabes que só depende de ti, então só te falta responder às seguintes perguntas:

Se agora não consegues, quando poderá ser o melhor momento?

Se aqui não for o melhor lugar, onde poderá ser esse lugar?

Se não desta maneira, como o podes fazer?

Se não souberes responder as estas perguntas, acredita que não falta quem te possa ajudar.

Gostei de te ver pelo Lontrices.
Beijo
:)

Miss Kin disse...

Boas perguntas as tuas, mas respostas, desta vez, zero!

Gostei de passear pelo Lontrices ;)

cantinhodacasa disse...

Olá.
Li este teu post.
Vou copiar e enviar a uma pessoa. Precisa dele.
Li-o e li os comentários, muito interessantes e diversos.
Quero deixar aqui registado que precio a tua escrita, porque mostras grande experiência de vida e de vidas, longe do teu país , domínio dos assuntos, viagens e amor de pai.
Eu já tive muitos medos. Confesso que ainda tenho alguns, aqueles que mexem com o coração, o respeito e a sensibilidade de uma relação.Eu dou amor.Se a pessoa que eu gosto não corresponde ao amor que lhe dou, não é por isso que vou deixar de ser quem sou e ser uma mulher.
Talvez por isso, e apesar de não me sentir só, esteja sozinha, mas não é por isso que sou infeliz.
Sou uma pessoa positiva. Também já passei por momentos, longos, muito delicados e que fui superando, lutando, vencendo.
Mesmo assim sou frágil mas as fragilidades fazem-me caminhar e pensar.
Quanto aos livros de auto-ajuda, não li o Segredo, mas vou lendo um ou outro de Osho e do Brian Weiss, este admiro-o, e sinto que me vão ajudando a esclarecer certos enigmas que tenho.
Não sou de traçar objectivos, só no trabalho, porque na minha vida deixo que as coisas aconteçam.
Faço, por vezes, promessas a mim própria sobre o que vou e/ou não vou fazer.
E muito havia a dizer neste "quando falta o motivo..."
que nos dias de hoje é delicado, principalmente para os jovens, penso seu, que querem um emprego e não têm. Daí eu copiar e enviar para um jovem que precisa de ler isto de perder a auto-confiança, sempre que vai para um entrevista.
Beijinho.

Almofariza disse...

Agradeço-te pelo desejo que tens de eu ter uma boa semana.
Não começou bem, mas desejo e quero que termine such much better do que começou.

Depois de tudo o que foi comentado e tão bem respondido por ti nada mais tenho a acrescentar.
Beijo Gordo e...

Cadês
Almofariza

Paula disse...

é que eu às vezes consigo mesmo "inventar" algo de bom! tenho momentos de optimismo completos, heheheh...
mas depois lá vem a realidade e lá vem o não querer dar uma queda de muito alto! mas no fundo estamos cá para isso não é?
por isso e apesar dos desânimos sou ao mesmo tempo uma pessoa de entusiasmos e alegre e sempre com alguma confiança de que alguma coisa vai dar certo!

Marisa disse...

Óptimo texto.
Uma excelente semana.

p.s.- fazendo a ponte entre o o post anterior e este, as máximas do shotokan são: carácter, sinceridade, esforço, etiqueta e auto-controlo. Sem esforço e motivação nada se consegue :)

najla disse...

Gostei muito....tens de escrever mais textos destes e apresentá-los mais vezes.

Quanntos de nós não julga que a vida está boa assim, nem sequer é preciso mexer muito que a coisa está boa?!?

Paulo Lontro disse...

Miss Kin,

Obrigado.
:)

Paulo Lontro disse...

cantinho,

Não há ninguém que não tenha momentos de menos confiança.

Nessas alturas tenta entender que tens um diabinho a sussurrar que não vais conseguir, e por outro lado há um anjinho que te dá a confiança. Sai desse conflito e olha para ele “do lado de fora”, vais ver que o teu “EU” ganha mais força e reduz essas pressões à sua real dimensão, que muitas vezes é zero.
:)

Paulo Lontro disse...

Almofariza,

cadês
:)

Paulo Lontro disse...

Paula,

Tu, às vezes, NÃO inventas momentos bons, tu, às vezes, TENS momentos bons, entendes a diferença?

Depois NÃO VEM a realidade, depois vem o medo, vem a construção, vem a antecipação de problemas, vem a tua capacidade criativa e escreves histórias, inventas futuro.

E NÃO, NÃO estamos cá para isso, estamos cá para sermos felizes e fazermos os outros felizes, ou não é isso que queres para a tua filha…?

Eu sei que é o que queres Paula e por isso, se pensares nas coisas fenomenais que tens, a tua confiança deixa de ser esporádica e passa a ser um estado natural.

Talvez deixes de pensar que “alguma coisa vai dar certo” e passes a pensar que a tua vida, OBVIAMENTE VAI DAR CERTO !!!!

Paulo Lontro disse...

Marisa,

Muito Obrigado!

Lol... essa do auto-controlo no shotokan espero que o Lontrinho aprenda rápido... o tipo é doido, é bom que acalme... rsrsrsrs

:)

Paulo Lontro disse...

najla,

Obrigado, vou tentar motivar mais as pessoas, prometo.

Sabes, há de facto pessoas que se sentem bem, sentem que não necessitam de ficar melhor, não é só por si algo mau.

Se o estado de espirito dessas pessoas for de bem-estar, satisfação e felicidade, pois então que continuem... teriam espaço para ajudar os outros e aumentar o grau de contribuição ao mundo, se assim for, venham muitas pessoas assim.

Mas entendi muito bem o que querias dizer.

Kiss Lontro

:)

Vera L A F Angélico disse...

Eu que tenho andado sempre tão calada... E sou daquelas que acha o "Segredo" ridículo. Sem vergonha de o assumir. Nunca o li. Folheei, e pensei... GOD! Sim. Anda para aí muita gente a precisar de ajuda. Mas as tretas não ajudam. Condenem-me se quiserem, mas aquilo são um monte de tretas.

E digo mais (antes de ser condenada à web-morte). Os livros de auto-ajuda. As sessões motivacionais. Podem ajudar muita gente. Mas cada um sabe de si. E cada um sabe onde ir buscar forças. Se eu posso tolerar que alguém se convença que é feliz a repetir numa sessão qualquer "eu sou feliz, e o meu sucesso só depende de mim", a mim dá-me vontade de rir. E não me vou esticar mais sobre este assunto...

A tolerância é essencial. Assim como é essencial não termos a presunção de saber qual é a solução para os problemas dos outros. Porque quer queiramos quer não, não sabemos...

Eu também sou daquelas que se queixa. Da vida em geral, do trabalho, das coisas. Se podia reagir de outra forma? Sim! Podia. E vou reagindo à minha maneira. Com humildade! Há coisas em mim das quais não gosto. Tenho dificuldades em viver comigo. Arranjo os meus refúgios, as minhas defesas. Desconfio de quem diz que é muito feliz. De vidas perfeitas. De relações perfeitas. Desconfio.

Há pessoas que nos mudam. E, felizmente, tenho tido nos últimos tempos o privilégio de conviver com algumas. Elas podem ter a sua influência. A sua verdade. A sua parte de responsabilidade. Mas se não formos nós... não me parece que resulte.

Beijos.

Goldfish disse...

Adorei o teu texto! Não sou fã de livros de auto-ajuda mas tenho de admitir que este post reflecte muita coisa que sinto, vejo e vivo em mim. Para mim a ajuda tem de vir de nós próprios, mas sei que por vezes precisamos que outros nos abram os olhos, nos dêem um empurrão e nos apoiem.

Paulo Lontro disse...

Vera Angélico,

Confesso que não entendo o tom justificativo deste teu texto/comentário!

Não necessitas de justificar que não encontras ajudas pelo meio referido, ok…

Quem tem o direito de te condenar?

E porque te haveriam de condenar?

E quem quer discutir contigo se achas ou não “uma treta” ”O Segredo” , há milhões de pessoas que pensam isso !

Claro que cada um é que sabe onde ir buscar ajuda e é tão legítimo que alguns queiram ajuda através de “O Segredo” como tu através do que quiseres… nem necessitas de te “esticar muito sobre o assunto…” até porque, se entendeste o post , ele é muito mais sobre outras coisas do que sobre os livros de auto ajuda.

Também não creio que as pessoas que têm como profissão ajudar os outros, psicólogos, psiquiatras, especialistas em coaching pessoal, tenham falta de tolerância ou obriguem alguém a mudar algo nas suas vidas. Só pede ajuda quem quer…

Podes, obviamente, desconfiar de quem quiseres, mesmo de quem te diz que é feliz, e há muitas pessoas que poderiam dizer isso, eu conheço muitas.

Já agora, ainda bem que tens o privilégio de nos últimos tempos conviveres com pessoas que te influenciam, ainda bem, há quem os queira e não os tem, há quem não tenha pessoas assim e tem que pedir ajuda a profissionais ou recorrer a livros de auto-ajuda por motivos financeiros, e aí, têm mesmo que recorrer ao que chamas “tretas” mas é o que está disponível e para se ser feliz vale quase tudo...

Vera, aproveita na medida que achares útil, essas pessoas que nos últimos tempos te rodeiam, só te desejo que sejas feliz.

Paulo Lontro disse...

Goldfish,

Sabes que concordo completamente contigo, as pessoas são livres de escolher o seu caminho e se isso passar pelo aproveitar as ajudas, venham elas.

A verdade é que a força está sempre dentro de nós e é essa a energia de toda a tua Acção.

Fico satisfeito por teres gostado do texto.

Carinho para ti.

:)

DoceSussurro disse...

Olá
Vim espreitar :)
Mt bom post!Gostei da maneira como escreves.

Beijinho*

Vera L A F Angélico disse...

Paulo,

Não me estava a justificar. Estava a comentar o teu post, na medida da minha experiência de vida.

:)

É para isso que servem os comentários, ou estou errada?

Paulo Lontro disse...

DoceSussurro,

Sê bem-vinda.
Ainda bem que gostaste, aparece mais vezes.
Obrigado!

Paulo Lontro disse...

Vera,

Estás certissima!
:)

Vani disse...

Desenvolvimento pessoal e conselhos de amigo não são o mesmo que o livro o segredo :D...confesso que não vou à bola com livros de auto-ajuda, pois sempre tive a ideia de que foram feitos para vender, não propriamente para ajudar. Porque, para se receber ajuda, tem de se pagar por ela?...Acho triste.
Agora, conselhos de amigos, ajuda de amigos, segredos de amigos, é algo totalmente diferente. Mas, nem sempre uma pessoa está aberta mesmo a essa ajuda.

è verdade que devemos viver cada dia como se fosse o último, ou o primeiro. E que, carpe diem. Ok. Mas, como é que se pode fazer isso num mundo onde temos de por o carpe diem de lado e dedicar-nos a sobreviver?...muito se tenta em aproveitar ao máximo, mas, quem nos deixa? o chefe que quer tudo para ontem? os impostos necessários ao sustento da ciganada? os mísseis que uns e outros ameaçam atirar?
Muitos dirão que, carpe diem?...isso come-se?...

:D

Sorry, lamento ser algo pessismista, e provavelmente isto diz muito de mim ;-), mas vivo num mundo em que só quem ganha o euromilhões vai conseguir aproveitar o dia. Porque, mesmo não podendo dizer que não gosto do que faço, a verdade é que a minha ideia de carpe diem mete uma praia, muito sol, e muito mar. Não mete teses, defesas de teses, etecera e tal.

E esta, hem? :D

Sara disse...

Mais uma vez, fiquei encantada pela tua visão das "coisas", e na minha modesta opinião sejam livros, pessoas, filmes, tudo o que possa de uma forma saudavel, mudar e melhorar a nossa auto estima, a nossa vida é bem vindo.
Nunca podemos culpar os outros pela nossa infelicidade ou julgar as pessoas como sendo todas "más", mas aceitar as nossas limitações, nunca desistir até porque não podemos ser boas em tudo não é verdade? hahaha tem sido a minha filosofia de vida...
kisskiss

Paulo Lontro disse...

Vani,

Vamos deixar esta coisa do auto ajuda, penso que está claro o que eu queria dizer e quanto depende de cada um querer ser ajudado ou não e os meios que estão disponíveis para que isso aconteça.

Aceito de bom grado o papel de ser um amigo a dar apenas a sua opinião sobre um assunto, tal como já fiz em centenas de post, ora em que difere este?
É que o tema mexe com as consciências e pelos vistos agitou algumas.

Não tenho qualquer intenção de dar lições de vida a quem quer que seja, se bem que já tive experiencias suficientes para poder emitir opiniões que seguramente ajudariam algumas pessoas.

Vani, todas as pessoas têm elementos motivadores ou necessidades e estão mais ou menos identificadas, podem variar entre 1) querer mais segurança ou mais liberdade, 2) a necessidade de amar e ser amado ou necessidade de aumentar o amor-próprio, 3) a necessidade de crescimento e aprendizagem ou a de contribuir mais, dar mais, 4) a necessidade de manter um estado de êxtase ou mais consciência de si mesmo (pés no chão).

Estas necessidades variam como varia o estilo da pessoa, ou seja, há quem se sinta num caminho mais feliz por ser mais amado, ou porque tem uma vida segura e com muito dinheiro, ou porque dá muito de si aos outros, ou porque sente a cabeça livre e entra em estado de “bliss”, há ainda quem não valorize nada disto e apenas queira ser um ser livre, sem posses e sem valores materiais, apenas se sentindo bem usufruindo de valores espirituais.

O que quero eu dizer com esta lenga lenga?

É que podes estar a cometer um equivoco Vani, ao pensar que quem é rico, ou ganha o euromilhões, ou que não necessita de trabalhar para ter comida na mesa, ou quem tem filhos, ou quem é bonito, ou especialmente dotado, ou só se diverte na praia, no sol ou no mar, ou quem……ou quem …. ou quem…será feliz e não terá problemas.

Nada mais falso !!!

Nada é uma garantia para “a felicidade no prato”.

Ao teres uma necessidade satisfeita de um lado, começa imediatamente a necessidade de compensar o outro lado, é o chamado paradoxo da vida.

Felizes são os que conseguem viver o dia-a-dia mas em equilíbrio, os que conseguem integrar os paradoxos, atingindo o seu balanço particular dos sentidos mais mentais, ou mais emocionais, ou mais espirituais, ou mais práticos.

O que escreves Vani, de facto diz muito de ti, mas não tens que te lamentar, (só se não gostares de ti), caso contrário, diz de ti, mas não diz se é bom ou mau, positivo ou negativo, preto ou branco, chuva ou sol, tu és como és, se não gostas só depende das tuas acções mudar.

Por muito que tentes arranjar culpados ou justificações, tu serás sempre a Causa do que tens e de como vives e aceitas o que tens, nunca serás o Efeito. Sei mesmo que, nesse aspecto, tens muito a ensinar a muita gente… Vani.

Acredita que a acção que empreenderes é a única responsável pelo acontecimento que se seguirá.

No texto do post não está escrito que se acerta sempre, está escrito que quando não se chega onde queríamos chegar “apenas” temos que procurar outro caminho, é isto que está lá escrito.

Vani, para terminar que dizer-te que, na minha opinião, todos nós temos um espaço de liberdade, mesmo quando temos uma pistola encostada à cabeça, é um espaço infinitesimamente pequeno, mas é o TEU espaço de LIBERDADE DE AGIRES.

Esse espaço de liberdade é a distância temporal que vai desde o momento do estímulo até ao momento da escolha da tua acção, entendes o que quero dizer?

Kiss e Carinho Lontro

:)

Paulo Lontro disse...

Sara,

Sereia das ilhas, é completamente a minha verdade essa tua verdade!

Beijos

:)

spritof disse...

Pelo menos uns quantos leram até ao fim e comentaram... :)


Faz-me lembrar uma história de um tipo que andava a salvar estrelas do mar que tinham sido levadas à praia pelas ondas... milhares delas... outro tipo exclama, "para que fazes isso? não vais conseguir salvar nem 10%!"... ao que o outro responde, "mas pelo menos estas salvei!".
:P

Não querendo exagerar no efeito do teu post (e daí... nunca se sabe!!!!), estou certo de que ajudou algumas pessoas que por aqui passaram a reflectir de outra forma sobre a vida que levam.

:)

Paulo Lontro disse...

spritof,

Obrigado amigo.
Abraço, daqui para aí, bem longe...
Quando chegares temos que nos encontar.

:)

spritof disse...

Boas...


Chego no dia 5/12... depois é combinar!
:)


Vou falar com a T que é mais fácil entre vocês, por causa dos horários.

Miss Complicações disse...

LOLLL
Eu li tudinho... mesmo sentido o teu olhar trespassar-me sabes o que penso dos livros. No entanto não nego nada do que está escrito. Acredito em tudo o que disseste mas não porque tenha lido um livro, mas sim, porque na minha vida existem pessoas fantásticas, como existem na vida de cada um. A diferença é que não as olho mas sim observo-as e escuto-as em vez de as ouvir.

Boa Lontro!
Nunca é demais insistir nos caminhos mais certeiros...

Gostei!