segunda-feira, 24 de novembro de 2008

MENINOS DE TODAS AS CORES






Era uma vez um menino branco, chamado Miguel, que vivia numa terra de meninos brancos e dizia:
É bom ser branco
Porque é branco o açúcar, tão doce,
Porque é branco o leite, tão saboroso,
Porque é branca a neve, tão linda.
Mas, certo dia, o menino partiu numa grande viagem e chegou a uma terra onde todos os meninos são amarelos.
Arranjou uma amiga chamada Flor de Lótus, que, como todos os meninos amarelos, dizia:
É bom ser amarelo
Porque é amarelo o Sol
É amarelo o girassol
Mais a areia amarela da praia.
O menino branco meteu-se num barco para continuar sua viagem e parou numa terra onde todos as meninos são pretos.
Fez-se amigo de um pequeno caçador chamado Lumumba, que, como os outros meninos pretos, dizia:
É bom ser preto
Como a noite
Preto como as azeitonas
Preto como as estradas que nos levam
Por toda a parte O menino branco entrou depois num avião, que só parou numa terra onde todos os meninos são vermelhos.
Escolheu para brincar aos índios um menino chamado Pena de Águia.
E o menino vermelho dizia:
É bom ser vermelho
Da cor das fogueiras
Da cor das cerejas
E da cor do sangue bem encarnado.
O menino branco foi correndo mundo até uma terra onde todos os meninos são castanhos.
Aí fazia corridas de camelo com um menino chamado Ali-Babá, que dizia:
É bom ser castanho
Como a terra do chão
Os troncos das árvores
É tão bom ser castanho como um chocolate.
Quando o menino branco voltou à sua terra de meninos brancos, dizia:
É bom ser branco como o açúcar
Amarelo como o Sol
Preto como as estradas
Vermelho como as fogueiras
Castanho da cor do chocolate.
Enquanto, na escola, os meninos brancos pintavam em folhas brancas desenhos de meninos brancos, ele fazia grandes rodas com meninos sorridentes de todas as cores.

texto: Luísa Ducla Soares

10 comentários:

nagareboshi disse...

tão gira a historia!

Lize disse...

Já conhecia a história, mas junto com as fotos fica 5 estrelas.
:)

Beijocas

Ana Camarra disse...

Paulo

Olha que bom este bocadinho!

beijos

Pax disse...

Esta história confirma uma teoria minha:
Que quanto mais mundo conhecermos, com quantas mais diferenças lidarmos e experiências vivermos, melhor compreenderemos as diferenças entre todos. Ao ponto de deixarem de ser diferenças.

Beijos :)

Tretoso Mor disse...

Pulo,

Um verdadeiro hino à igualdade.

Espectacular.

Um gandabraço

Ianita disse...

Um show de poema. Um show de fotos.

O que responder a uma criança que está a pintar um desenho e nos diz que não tem lápis-de-cor cor de pele? Por que é que os professores ensinam estes textos lindos, mas depois chamam cor-de-pele a um lápis que é rosa clarinho ou bege?

(Um dia entreguei um lápis castanho a um miúdo que me pediu um lápis cor-de-pele. Ele ficou a olhar para mim sem perceber nada. E eu lá lhe expliquei que como as peles não são todas da mesma cor, há mais que um lápis cor-de-pele)

Kiss

Papinha disse...

Lindíssima a história, acompanhada por imagens excepcionais ;) obrigada
Beijinhos
P@pinh@

Vício disse...

e depois de deixar de ser menino?
continuou a ter a mesma opinião?

PAULO LONTRO disse...

Vício, achas que sim ou que não? :)

Cris... disse...

muito, muito bonito...