terça-feira, 18 de novembro de 2008

MOMENTOS DELE

Fogo, pra que te quero?
Se, o oxigénio que ainda espero
Está agora...pra lá de longe.

Acalmo então em mim
A revolução da chama que destrói
É quase uma guerra, soldado no posto
Bandeira erguida, angustia no rosto
Vontades perdidas.

Fogo, pra que te quero?
Se, o oxigénio que ainda espero
Está agora...pra lá de longe.

Distante, pulsa aos quatro ventos da imaginação
Um coração na mão, latejante ferida, aberta, doída
Num vai e vem delirante.

P. COELHO






5 comentários:

Cris... disse...

qué beleza masculina!

ai, que bem feito está o corpo humano!

Ana Camarra disse...

Confesso que este teu espaço é desconcertante pela simplicidade.
Porque no fundo isto é tudo simples.
Belas imagens, imdependentemente do género, fortes, porque o Corpo Humano é um tema forte, o sexo também.
Palavras muito bem escritas, eu até nem gosto muito de P. Coelho, mas está muito bem.
Gosto da tua frontalidade e clareza.

Bonito

Beijos

PAULO LONTRO disse...

> cris...,
o corpo humano é sempre belo...
poix... :) ;)

> ana,
a vida é simples ana, somos nós que, por vezes, a complicamos...:)

Ianita disse...

Se eu contasse as vezes que disse um "Fogo, pra que te quero?"...

A simplicidade é complicada, não achas?

Kisses

PAULO LONTRO disse...

iani,
Não quero contar..., deixo essas coisas intimas para ti... lol...lol...

Não! é mesmo simples..... hi hi hi... ou tens dificuldades... :):)